Ônibus e metrô ficam mais caros a partir desta terça

Os soteropolitanos vão desembolsar 10 centavos a mais para andar de ônibus e metrô a partir desta terça-feira (2). As tarifas foram reajustadas em 2,7%, passando de R$ 3,60 para R$ 3,70. O aumento na passagem de ônibus é o menor dos últimos dez anos e ficou abaixo da inflação de 2017.  

O aumento será publicado na edição desta terça do Diário Oficial do Município. As novas passagens começaram a valer a partir da meia-noite de terça.

A última modificação na tarifa aconteceu no ano passado, quando a passagem aumentou de R$ 3,30 para R$ 3,60, incremento de 9,1%. Diariamente, 1,3 milhão de passageiros são transportados nos 2,6 mil ônibus do município e 270 mil passageiros são transportados nas duas linhas do metrô.

O reajuste foi o menor dos últimos dez anos (Foto: Arquivo CORREIO)

Aumentos
O governo do estado anunciou no último sábado (30) o reajuste da tarifa do metrô, um dia após o anúncio feito pela prefeitura de Salvador. A assessoria da Casa Civil do governo da Bahia afirmou que o reajuste anual é esperado, já que a igualdade nas tarifas foi previamente acordada entre os poderes.   

Nos últimos dez anos, o valor da passagem de ônibus foi reajustado oito vezes. Os maiores reajustes aconteceram entre 2012 e 2013, quando o valor foi corrigido em 10,7%, passando de R$ 2,50 para R$ 2,80. Entre 2008 e 2009 e entre 2015 e 2016 o reajuste foi de 10%, aumentando de R$ 2,00 para R$ 2,20 e de R$ 3,00 para R$ 3,30 respectivamente.

A tarifa do metrô também será reajustada (Foto: Arquivo CORREIO)

Abaixo da inflação
Henrique Trindade, presidente da Agência Reguladora e Fiscalizadora dos Serviços Públicos de Salvador (Arsal), afirma que a tarifa aumenta com base em uma fórmula fixada de reajustes anuais. Ele explicou que o crescimento mais baixo se deve à inflação e à fixação do valor da tarifa.

“Desde que foi feito o edital das licitações em 2014 nós temos previsão de como ocorrem os aumentos. O IPCA e o IPC esse ano foram baixos, o valor do combustível que puxou um pouco o valor para cima. No entanto,embora o combustível tenha tido inflação de mais de 10%, ele pesa menos no cálculo da variação da tarifa de ônibus”, diz o presidente da Arsal. Ele contou também que a cada quatro anos são feitas revisões tarifárias.

São 2,6 mil ônibus em Salvador (Foto: Arquivo CORREIO)

Cálculo
A operação matemática que define o reajuste considera a variação salarial, calculada com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), a inflação de produtos e serviços, com base no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), e a variação do preço dos combustíveis.

São dados peso de 40% para o INPC e IPCA e 20% para variação do preço dos combustíveis. Segundo Trindade, os índices usados como base para o aumento de 2018 foram de 1,95% para o IPC, 2,80% para o IPCA e de 10,5% para o combustível.

Crítica
O aumento foi criticado pelo assessor de relações de trabalho do consórcio Integra, Jorge Castro. “Isso vai agravar a situação das empresas. O aumento deveria ser para, no mínimo, R$ 3,90”, ele diz.

Segundo Cláudio Malamut, coordenador de atendimento ao usuário da Integra, embora o reajuste não seja ideal, era esperado. “Apesar de estar aquém da necessidade, o aumento já estava previamente definido em uma fórmula, ele é um número estabelecido contratualmente e a gente aceita”, ele afirma.

A associação Integra representa três empresas que operam em Salvador, a OT Trans, Plataforma e CSN. O reajuste anual no valor da passagem está previsto no contrato assinado em 2014 entre a prefeitura e as empresas de transporte municipal. O acordo tem duração de 25 anos.

 

Fonte: Correio24horas

;