Desafios de 2019 DEFESA DA APOSENTADORIA

Os sindicatos brasileiros e centrais sindicais estão atentos aos bastidores da política em Brasília, com a pressa do governo em aprovar a reforma da Previdência. Está tudo muito nebuloso, cada dia uma novidade. O que se sabe é que as regras serão ainda mais duras do que a proposta do governo do temeroso. 

Agora se fala em incluir um regime de capitalização em que cada trabalhador financiaria uma espécie de poupança que vai garantir a sua aposentadoria. 
O FGTS deixa de ser aquele extra que o trabalhador recebe quando se aposenta ou para comprar casa, por exemplo. Ele desaparece para compor sua aposentadoria, vira previdência. 
A contribuição seria apenas dos empregados. Os 2/3 que hoje são pagos pelos patrões também somem. Tudo gerenciado pelos bancos privados. Um aspecto é evidente: a reforma vai prejudicar muito os trabalhadores e beneficiar empresas.
O que não se discute é a cobrança das dívidas de empresas privadas com a Previdência, que já somam quase meio trilhão, enquanto o déficit da Previdência está em 260 bilhões. Ou seja, se fosse cobrada cobriria o rombo e ainda sobraria.
Também não se fala para onde vão as outras fontes que deveriam financiar a Previdência, como determina a Lei da Seguridade Social (Cofins, CSLL –Contribuição sobre o Lucro Líquido e o PIS Pasep), nem como resolver o problema da aposentaria dos militares e dos servidores públicos cujo valor médio pago aos beneficiários é 500% maior do que a dos demais trabalhadores.
Vamos ficar atentos e mobilizados. Esse é um dos desafios de 2019.

 

Confira a notícia na integra, clique aqui

 

Fonte: Folha de São Paulo - Foto: Pedro Ladeira

 

;