Recursos para alimentação escolar sofrem queda na Bahia

De acordo com o levantamento realizado pela G & Q, Gestão e Qualidade Consultores, encomendada pela União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), foi constatado que houve redução no repasse de recursos destinados para alimentação de alunos matriculados no regime de educação integral na Bahia.

Segundo informações da Undime Seccional Bahia, considerando as escolas da rede municipal e rede estadual, o estado perdeu cerca de R$ 40 milhões em verbas que seriam destinadas para merenda escolar nas escolas de tempo integral.

"O repasse feito hoje é indevido, pois é o menor para os nossos municípios. O FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) já admite que esses recursos não estão sendo repassados e eles já estão alinhando junto com o ministério para regularização desse repasse", afirma o presidente da Undime-BA, Williams Panfile Brandão.

Mesmo com a possibilidade de regularização do repasse, a Undime e a União dos Munícipios da Bahia (UPB), vão solicitar que o Ministério da Educação revise os valores previstos para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). "Nós, como instituição, junto com a UPB faremos uma agenda para ir até Brasília buscar e cobrar esses recursos que não vêm sendo repassados", garantiu.

"É uma injustiça o que MEC vem fazendo com as nossas escolas através do FNDE. Estamos, junto com a Undime, construindo uma agenda para que possamos cobrar a diferença para merenda que foi passada menor para os municípios da Bahia", disse o presidente da UPB e prefeito de Bom Jesus da Lapa, Eures Ribeiro.

De acordo com as diretrizes do PNAE, o valor repassado pela União por dia letivo/aluno é de R$ 1,07 para ensino integral e de R$ 2,00 para o Programa de Fomento às Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral

 

Fonte:  A Tarde 

;